Sem categoria

Sustentabilidade na Tarjab

Por 27 de junho de 2019 Nenhum Comentário
chris-barbalis-bIx15C7AnNg-unsplash (1)

Conscientização ambiental e sustentabilidade são tópicos em alta atualmente em vista da escassez e degradação de nossos recursos naturais. Cabem a governantes, indivíduos e empresas adotarem medidas e políticas para preservarmos estes bens. Por isso, em 1999, a Tarjab criou quatro logomarcas de conscientização ambiental, sendo elas:

Qualidade Ambiental

Uso racional da água

Uso racional de energia

Materiais e resíduos

Tivemos um crescente compromisso e preocupação com a sustentabilidade em nosso  trabalho, o que  pode ser percebido através de alguns marcos:

– Tivemos o primeiro empreendimento no Estado de São Paulo a ser entregue com medição remota individualizada (Ed. Gabriella – 2001);

– Construímos nosso primeiro empreendimento com estação de tratamento de águas cinzas (Ed. Actual Água Branca – 2010), feito que foi replicado em vários outros empreendimentos posteriormente;

– Em 2015 recebemos nossa primeira Certificação Procel da Tarjab, no Now Offices;

– Em 2017 obtivemos nossa primeira certificação AQUA, com o Scenarium Braz Leme e, depois com os empreendimentos Architetto, Iman, Tangram, Refuge e Amadis (em diferentes fases), sendo este último o primeiro empreendimento do país a receber a certificação AQUA Social.

– Após ter o quarto empreendimento certificado, a Tarjab foi certificada como Empreendedor AQUA – o que garante que todos os empreendimentos habitacionais e de uso misto construídos pela incorporadora no Estado de São Paulo deverão seguir as normativas da certificação.

Esses marcos reafirmam o posicionamento e comprometimento da Tarjab com a sustentabilidade.

“A sustentabilidade na Tarjab ocorre na prática e não apenas no discurso, sendo um caminho evolutivo e sem volta para Tarjab” – Carlos Borges, CEO

A certificação AQUA     

A certificação de sustentabilidade para edifícios, AQUA (Alta Qualidade Ambiental) – correspondente à certificação francesa HQUE (Haute Qualitè Environmentale) – aplicada pela fundação Vanzolini, impõe diretrizes a serem seguidas durante todo o processo de planejamento e execução dos empreendimentos, para garantir um produto final com impacto ambiental reduzido e melhor desempenho.  A Tarjab entende que a sustentabilidade acompanha o desempenho construtivo, porque quando falamos em atingir os três grandes clássicos de desempenho (Acústico, lumínico e térmico) traduzimos de forma sustentável a construção dentro dos pontos de vista ambiental, conforto e de operação.

Ao seguir as diretrizes do AQUA, automaticamente seguimos a norma de desempenho NBR 15.575 – Sendo as normativas do AQUA algumas vezes ainda mais exigentes.

As exigências da certificação visam o conforto ambiental, lumínico e térmico, a qualidade dos espaços, a construção sustentável, a economia no consumo durante a operação. Estes preceitos, somados aos diferenciais de desempenho que aplicamos se traduzem em:

– O projeto de arquitetura é desenvolvido de forma a priorizar a ventilação e a iluminação permanentes. Em todos nossos projetos, estudamos a melhor forma de aproveitamento da luz natural antes da execução. Por exemplo, quando utilizamos esquadrias de alumínio, que tem vão luz de iluminação natural maior do que o que seria necessário em um determinado ambiente, economiza-se iluminação artificial.

Além do que todo o sistema de iluminação que concebemos no empreendimento é realizado com luminárias e lâmpadas led para que tenhamos consumo de energia menor. O que se traduz de forma sustentável com menor dispêndio de recursos do condômino.

– Medidas como tratamento térmico da cobertura e especificação de materiais com carga térmica reduzida, visando garantir o conforto térmico durante a ocupação dos ambientes. Além de áreas técnicas projetadas para garantir boa ventilação, evitando possíveis odores, e especificação de materiais nos ambientes internos que não prejudiquem a qualidade do ar, como por exemplo, as tintas a base d’agua. Colocamos todas as nossas esquadrias e ventilação da área do apartamento maiores do que a normatização exige, isso traduz um conforto de ventilação natural muito maior.

– Garantia da qualidade sanitária dos espações, a partir de revestimentos resistentes e adequados ao tipo de uso do ambiente.

– Medidas tomadas para garantir a qualidade da água nos pontos de consumo do empreendimento, como a lavagem e desinfecção das tubulações e a análise da água, antes da entrega das unidades aos proprietários.

– Gestão e valorização dos resíduos produzidos na construção e em eventuais demolições.

– Utilização de materiais com a certificação EPD (do ingles Environmental Product Declarations), que declaram e quantificam, de forma transparente o seu impacto ao ambiente. Ainda são priorizados produtos fabricados próximos a obra, afim de reduzir ainda mais o impacto. Devem ser utilizados apenas recursos naturais que contenham comprovação de sua procedência, a partir das devidas licenças.

– Contratação de fornecedores comprometidos com a sustentabilidade, com o objetivo de minimizar impactos ambientais e incômodos à vizinhança.

– Implantação de medidas para redução de consumos de água e energia durante a execução da obra.  Os empreendimentos são projetados para terem uma redução no consumo de água de até 50% com relação ao consumo sem as medidas adotadas para economia de água, como instalação de aparelhos com dispositivos economizadores e reguladores de vazão, bacias sanitárias com dispositivo de duplo acionamento e torneiras das áreas comuns com fechamento automático (sem contar com a economia gerada pelos sistemas de reuso de aguas cinzas e aproveitamento de águas pluviais).

Os empreendimentos são projetados para ter uma redução de a partir de 20% no consumo de energia, através de medidas como a utilização de equipamentos com maior eficiência energética, como lâmpadas led, e a utilização de sensores de presença ou temporizadores nas áreas comuns, evitando que as luzes estejam permanentemente acesas (sem contar com a economia de energia em empreendimentos que possuem o sistema de aquecimento de água por energia solar).

– Deve se fazer a utilização de vegetação nativa especificada em terreno natural e árvores mantidas na calçada. Escolha de espécies com menor necessidade de manutenção e irrigação.

– Os empreendimentos devem possuir bicicletário, incentivando o uso de meio de transporte limpo, e proximidade de diversos meios de transporte facilitando a mobilidade urbana.

– Para a coleta de resíduos, devem ser dispostos depósitos de resíduos recicláveis e orgânicos, dimensionados de acordo com a população do empreendimento e com a frequência da coleta externa. Além de ser realizada a orientação aos proprietários sobre as práticas de coleta seletiva dos resíduos, através do manual do proprietário.

– Cada unidade tem instalações preparadas para medição individualizada dos consumos de água e gás. Gerando uma conscientização destes recursos finitos e, no caso da água, escasso. Isso acaba gerando uma economia, já que, quando você tende a controlar seu consumo, o gasto é mais racional.

Estes diferenciais, alinhados aos desempenhos acústicos, térmicos e lumínicos, geram conforto, saúde, sustentabilidade e economia.

Quando falamos da questão acústica, remetemos também a saúde física e mental. Todos nós precisamos de um lugar onde possamos realmente descansar. O estilo de vida atual costuma ser agitado e estressante e repleto de ruídos. E, para garantir o conforto acústico, nosso trabalho se inicia na concepção do empreendimento. Quando conseguimos traduzir os maiores ganhos de desempenho e sustentabilidade de um empreendimento,  reduzindo custos e potencializando o diferencial.

Assim, com muito menos esforço podemos dar o melhor beneficio, não só em termos de desempenho acústico, mas também lumínico e térmico, planejando-os desde o projeto, a concepção do empreendimento. Com custo benefício muito menor para o cliente final.

.Quando pegamos o partido estrutural dos nossos empreendimentos, eles estão lastreados a potencialização de flexibilidade de layout da unidade, sem que o cliente possa ter um transtorno de reforma no futuro. As nossas vedações internas são todas em drywall e em alguns ambientes tem um tratamento acústico, para dar o conforto necessário, nos ambientes que são essenciais esse conforto (como os dormitórios) e todas as lajes onde pisamos efetivamente tem uma espessura de laje em torno, no mínimo entre15 e 17 cm. Temos ainda um contrapiso (camada de argamassa com um atenuante acústico, que é uma manta acústica, que colocamos para isolar a estrutura do contrapiso) para melhorar o barulho do ruído de impacto – famoso barulho do salto alto. Então para mitigar o risco das pessoas escutarem esse tipo de ruídos em suas unidades.

Voltando a questão do layout, estamos trabalhando com lajes planas nas maiorias dos ambientes que compõe o empreendimento (dependendo do tamanho). Normalmente, nas áreas sociais, que é a sala de estar, cozinha e também a varanda/sacada, temos o mesmo nível de piso, isso faz com que o cliente quando recebe o apartamento, caso queira integrar as áreas, elas já estejam niveladas de forma natural, já concebida pelo projeto. Caso contrário, ele precisaria realizar uma reforma.

O BIM e o IDTarjab

As questões de reforma são sempre vistas em empreendimentos entregues, onde se veem várias caçambas de entulho. Já nos empreendimentos da Tarjab, além de oferecermos todos os benefícios já citados que mitigam a necessidade de reformas, oferecemos a opção de projetos especiais para o empreendimento, assim o cliente pode escolher algumas variações estruturais de sua unidade antes da construção, o que evita reformas posteriores, o aumento de utilização de materiais construtivos e o custo desnecessário.

Dentro do apartamento oferecemos como personalização a sua automação, isso se traduz em economia de energia, pois você programa e otimiza o uso de luz artificial.

Iniciamos há algum tempo o projeto BIM (Building Integration Modeling), sistema de projetos e processos que integram toda a parte de planejamento e construção do empreendimento. Tivemos um progresso maior a partir do ano passado, em que, no primeiro passo, montamos diretrizes de como construir o edifício virtualmente, fazendo o modelo do prédio totalmente 3d, ou seja, é construído virtualmente antes de projetar. Agora, na segunda fase, estamos traduzindo em planejamento e orçamentos, para maximizar a utilização desse modelo, aproveitando isso ao máximo para que o cliente tenha um retorno de uma obra com custo mais baixo refletindo, na redução do custo final.

O BIM permite prever falhas e alinhar diversas áreas e planejamentos ao mesmo tempo, evitando retrabalho, gastos adicionais e tendo uma previsão mais acertiva de todo o custo.

“Nosso trabalho está baseado em garantir a maior qualidade e desempenho de nossos empreendimentos, de maneira sustentável, visando o conforto, a segurança e o melhor custo para o cliente. Beneficiando também toda a sociedade em seus entornos.” – Sergio Domingues, diretor Técnico