Planejamento Financeiro

Como começar uma reserva financeira: Aprendendo a economizar sem abrir mão do consumo

Por 27 de janeiro de 2016 Nenhum Comentário
como-lidar-com-dinheiro

“Cada vez mais, as pessoas estão se tornando protagonistas de suas próprias aspirações e não mais necessariamente buscam se apropriar unicamente de ideais vindos da sociedade”, é o que afirma a agência de tendências Box1824, em seu relatório Unclassed Behavior (Saiba mais clicando aqui), sobre um novo comportamento que está surgindo no mundo. De acordo com o estudo, o consumismo vem se tornando um comportamento ultrapassado do qual logo sentiremos vergonha.

É interessante pensar que o mundo pode se ver livre das constantes ilusões que incentivam o consumo desenfreado, porém temos um longo caminho até lá. Mas essa questão vai ao encontro do que vamos discutir aqui: como economizar sem abrir mão do consumo?

Aprenda a diferenciar necessidade e desejo

O conhecimento do que realmente precisamos é valioso. Você realmente precisa de um jantar em um restaurante famoso ou roupas novas a cada mês ou um novo celular todo ano? Não. Esses são apenas desejos. São agradáveis, mas não necessários. Necessidade é mais profunda, porque implica diretamente em nossa vida. “Será que eu preciso disso?” é uma pergunta pertinente para distinguir necessidade de desejo. Isso não significa que as suas necessidades serão menores, inferiores ou mais baratas. Muitas vezes, algumas necessidades para desempenhar a sua profissão são bem caras, por exemplo, então entender a diferença entre desejo x necessidade significa compreender que ela não tem a ver com modesto x nobre.

Este exercício não tem como objetivo excluir desejos que são importantes para você, ele serve para promover um gasto maisconsciente e, consequentemente, ajudar você a priorizar o destino do seu dinheiro.

Entenda para onde o dinheiro está indo

Não adianta esconder embaixo do tapete os gastos pequenos que, ao final do mês, somam uma quantia grande e que impacta consideravelmente em seu orçamento. Depois de compreender a diferença entre necessidade e desejo, o próximo passo é encarar suas despesas para visualizar o destino do dinheiro.

Como todo novo hábito precisa de tempo para ser praticado com eficácia, mantenha a simplicidade nesta tarefa. Numa folha em branco, anote apenas a data, valor e descrição do gasto. Todo dia. Um mês geralmente possui quatro semanas, então fazer esse acompanhamento por duas já é o suficiente para ter uma ideia dos gastos.

Gastos anotados. O que fazer com eles?

Analise todos os gastos registrados durante essas duas semanas e classifique-os como fixo e variável. Entenda como fixo tudo aquilo que é um gasto constante, como aluguel, telefone, assinatura de revista etc. Variável, como o nome sugere, é tudo aquilo que não está planejado ou não possui frequência exata. Feito isso, você começará a perceber com o que e como gasta o seu dinheiro.

Ver essa lista pode provocar o efeito de querer reduzir vários gastos, mas isso quase sempre não funciona. Afinal, o cafezinho da manhã, apesar de variável, pode ser essencial para fazer você encarar o dia. A sua vontade de consumir já será diminuída quando você se depara com o seu comportamento em relação ao dinheiro. A próxima ação consiste em considerar cada gasto e transformar aqueles menos importantes em um começo de poupança. Cortar tudo nunca é a resposta.

Assim, você conseguirá manter o seu estilo de vida e, aos poucos, economizar algum valor, por menor que ele seja. Isso é só o início para você investir em outras necessidades duradouras, como aquele apartamento tão sonhado.

Quer saber sobre como se organizar financeiramente para comprar o seu imóvel? Confira a nossa série de posts sobre Planejamento Financeiro ou assine nossa newsletter para não perder outros artigos.

Qual o tamanho ideal de imóvel para a sua familia